INÍCIO   -   BIOGRAFIA   -   NOTÍCIAS   -   FOTOS   -   BOLETINS   -   VÍDEOS   -   LEGISLAÇÃO   -   CONTATO
 

OPOSIÇÃO DENUNCIA MÁ GESTÃO E PREJUÍZOS AO ESTADO NO GOVERNO ZEMA
 


 

Nesta terça (8/10), deputados estaduais do Bloco de Oposição na ALMG, Democracia e Luta, entraram com representações no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) que revelam prováveis irregularidades cometidas pelo governo de Romeu Zema.
Os documentos tratam da nomeação irregular do presidente da Companhia de Tecnologia da Informação (Prodemge), da cessão do Palácio das Mangabeiras, com dispensa de licitação e prejuízo financeiro para o estado, além da contratação, também sem licitação, de uma assessoria financeira que irá lucrar R$ 11,4 milhões, em 24 meses. As representações foram entregues à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público.
A representação direcionada à PRODEMGE mostra a ilegalidade na nomeação do atual presidente da Companhia, Rodrigo Antônio de Paiva. A evidente irregularidade se dá pelo fato de o atual presidente, nomeado pelo governador Zema, ter atuado em campanha eleitoral no último pleito, em 2018, tendo sido candidato a senador pelo mesmo partido do atual governador.
Para evitar mecanismos de troca de favores políticos, onde conceitos éticos são por vezes ignorados e a corrupção é vista como uma situação de normalidade nas empresas públicas e sociedades de economia mista, o Congresso Nacional aprovou e foi sancionada em 2016 a Lei da Estatais 13.303/2016, que veio justamente com o objetivo de combater a atuação político partidária dentro das empresas estatais.
Ao descumprir o que determina a Lei, o aparelhamento político praticado neste caso se torna evidente, pois um membro político, atuante em campanha eleitoral e, para piorar, candidato, é escolhido como presidente de uma empresa estatal pelo simples fato de ser do mesmo partido político do Governador e como compensação pela derrota eleitoral à cadeira de Senador por Minas Gerais.
Outra representação apresentada aborda o contrato de cessão onerosa firmado entre a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e a empresa Mult Cult, conhecida como CASACor. Apenas dois dias após a CODEMGE receber a gestão do Palácio das Mangabeiras, a Companhia, com dispensa de licitação, cedeu o imóvel pelo período de 42 meses para a empresa Mult Cult realizar eventos da Casa Cor Minas Gerais, bem como outros eventos de arte, arquitetura e design.
A representação revela que o valor da cessão onerosa é de apenas R$ 2,2 milhões, sendo que quase a totalidade do valor será gasto na manutenção do imóvel. Ou seja: não existe vantagem financeira para a administração pública. Lembrando que em qualquer contrato de locação a manutenção é obrigação do locatário. O estado, no entanto, por meio da Codemge, optou por apenas ceder o imóvel, sem retorno para o contribuinte. Estima-se que apenas com a edição da CASACor 2019 a empresa beneficiada pelo governo arrecadou R$ 4,2 milhões.
Outra irregularidade apontada pelos deputados se refere a outra dispensa de licitação para a contratação de uma assessoria financeira que receberá R$ 11,4 milhões durante 24 meses. O questionamento dos parlamentares mostra que, ao dispensar a licitação, o governo Zema desrespeita o erário ao não selecionar a oferta mais vantajosa através da competição e respeito aos princípios da isonomia e da impessoalidade. O Estatuto de Licitações permite como ressalva à obrigação de licitar, situações excepcionais que não se adequam à função demandada pelo governo.


09/102019


 
     

 

 

 


<< Voltar a tela anterior
 
 
 
     
     
  GABINETE OFICIAL - CELINHO DO SINTTROCEL
Rua Rodrigues Caldas, 79 - Edifício Tiradentes - 15º andar - sala 02 - Santo Agostinho - Belo Horizonte/MG - CEP 30190120
Telefone (31) 2108-5905